-SEDA-

Dos teus cabelos eram as nuvens
Quando cortara o vento com teus pés e asas
Tua língua a singrar meu corpo
A dividir o indivisível
Junta, medula, alma...
Hoje, despido como jamais estive
Nu como nenhum outro
Se deste corte fogem os encantos
É também deste a nossa fonte
Pois na carne viva se encontra a natureza de quem somos
Sem drama ou comédia
Jaz aqui a única verdade

O epitáfio da falsidade
"Você sabe. As intenções são como espadas de dois gumes; estando do lado deles, sempre irá se ferir."
Enxergará através dessa fenda a luz que iluminou os teus olhos
Ou se consumirá na artificialidade que a envolve

Meus pensamentos são como seda sobre teu corpo
E os meus suspiros unção sobre tua testa
Teu sorriso o desígnio do meu ânimo
E o teu amor o clamor do meu espírito

Além disto a verdade é menos verdade, e os dias são menos dias




Leave reply

Back to Top