Agosto 2014

Like a Bear

Eu sou o urso
Devorando sua pequena colmeia
Arranhando a base da árvore
Querida, cuidado para não tombar

Tenho um presente entre os meus dentes
E música na ponta dos dedos
Agora suas pernas irão dançar
Dançar sobre a minha sinfonia

Apenas a assinatura de uma obra
E como tudo, isto
Não vai durar para sempre
Por mais que este seja o seu desejo
Por mais que este seja o seu desejo

Eu não entendia bem o porquê
Sim, eu fui um tolo
Mas hoje eu entendo plenamente
E vou te dar um pedaço disto, garota
Enquanto arranco tudo de você

Esperneie e grite
Diga "não" e invoque os seus deuses
Sabemos que é isto o que quer
E como poderia não ser?
E como poderia não ser, querida?
E como poderia não ser?

Acho que posso te ensinar uns passos
Mesmo você dançando tão bem
Sei que talvez eu esteja enganado
E você esteja mentindo
Mas sabemos que ninguém se importa
Pois temos aquilo que buscamos
E sabemos
Sabemos que nunca terá algo melhor para buscar
Por mais que este não seja o seu desejo
Por mais que este não seja o seu desejo
E como poderia ser, querida?
E como poderia ser?


-OUROBOROSDOLAPSORAPTO-

Hoje eu vi o futuro
E enxerguei a inevitabilidade dos fatos
Como dois e dois são nenhum
E a moderação é tão exagerada

Você foi a vítima e o criminoso
A morte e o carrasco
Me sufocando com a minha tolice
Achando que iria me desmaiar

Todos aplaudiram o aparente espetáculo
O esperado assombro de um ser patético
Mas todos lacrimejaram com a morte
Outro ser como eu não existirá

E enxerguei ainda além
Como uma serpente e um boi
Me devoro e me castro
Construto d'Eus

Cada vez mais para dentro de mim
Um leito de morte ou de aguardo
Mas isto já não possui importância
Último sonho para quem me acordou

Hoje eu vi o futuro
E enxerguei a inevitabilidade dos fatos
Como dois e dois são nenhum
E a moderação é tão exagerada


-ANTESEALÉM-

Ela veio em um sonho
Do inesperado dentro do inesperado
Como um pássaro balançando a copa das árvores

Ela é como eternizar a Lua e o Sol dentro de um só dia
Uma ninfa costurando o perfume no seio de um bosque esquecido
É a poesia encarnada saltando sobre os campos, o nascer de uma orquídea

Pois eu a vi levantar de um lago índigo ao sopé de um suspiro
E o entrelaçar de seus cachos ao redor desta margem
O levante das águas e o nascer de duas infinitudes estrelares
Foi como ser e não estar, como sorrir e chorar

Talvez algum dia eu possa transformar os meus pulmões em pincéis
Posso beijar o seu rosto mais uma vez e abraçá-la por completo
Já não há maneira de senti-la que sacie esta sede, ou que me alforrie desta fome
Não surgirão encontros que eliminem esta saudade
Pois já a sinto muito antes de nascer

Estou queimando de dentro para fora e não posso interferir
És como um vendaval, tempestuosa benção
Já posso sentir os anjos nos invejando na estrela mais próxima, sim, posso
E se houver um fim, irei costurá-lo ao início
Sugarei o mundo para dentro de nós dois
E nos trancarei no canto de um olhar

Cuide-se, querida
Sinto que o mundo vai acabar



Back to Top